Rebeca Andrade é bicampeã mundial do salto em cima de Simone Biles

Foto: Ricardo Bufolin/CBG

Rebeca Andrade mal celebrou a prata conquistada no individual geral na sexta e retornou ao pódio na manhã deste sábado, mas desta vez no lugar mais alto, na Antuérpia. O ouro veio na final do salto, mais uma vez com a presença de Simone Biles.

Rebeca conseguiu executar os dois saltos quase cravados, teve média 14,750 pontos e foi coroada bicampeã mundial. Maior medalhista de mundiais da história, Biles repetiu o elemento de maior pontuação na ginástica homologado no Mundial da Antuérpia, o BIles II, mas desta vez não conseguiu completar o movimento, caiu e terminou com a prata, com somatório de 14,549 pontos. O bronze ficou com a sul-coreana Yeo Seojeong, com 14,416 pontos.

“Esse ouro significa que nosso trabalho continua dando certo, tanto parte técnica como mental e física. Trabalho de todo mundo para eu conseguir controlar minha mente e meu corpo. Deu tudo certo”, disse a ginasta.

A atual campeã olímpica do salto e campeã mundial em 2021, Rebeca não tinha conseguido a vaga na final no Mundial do ano passado, em Liverpool, depois de um susto que acabou forçando a atleta abortar um dos saltos na classificatória. Em 2023, diferente do ano passado, Rebeca foi bem em todas as passagens que fez no salto durante o Mundial e repetiu na final desse sábado.

Rebeca teve a oportunidade de ver todas as adversária se apresentarem, foi a última entre as nove finalistas. No primeiro salto, um Cheng, o salto com maior grau de dificuldade e uma aterrisagem com pequeno passo. Rebeca tirou a maior nota da final: 15,000 pontos. No segundo voo, um Yurchenko com dupla pirueta, nem precisou fazer a dupla pirueta e meia. Também foi praticamente perfeita e somou14,500. Com média final de 14,750 pontos celebrou o ouro.

Maior nome da ginástica mundial, Simone Biles foi a primeira a se apresentar. Mais uma vez apresentou o Biles II, elemento mais difícil da ginástica, mas desta vez a execução não saiu como gostaria, não conseguiu aterrissar bem e caiu. Ainda terminou com a nota de 14,433 pontos. No segundo salto, executou um Cheng com pequenas falhas de execução e tirou 14,666. Ficou com a média 14,549 pontos.

Bronze nas Olimpíadas de Tóquio, a sul-coreana Yeo Seojeong não executou o seu salto de dificuldade 5,8 pontos, mas executou com perfeição os dois voos apresentados e levou o bronze com média 14,416 pontos.

Na Antuérpia já são 3 medalhas no currículo de Rebeca com 1 de ouro e 2 de prata – equipes e individual geral – , o que já colocou Rebeca mais uma vez no patamar de maior medalhista brasileira em uma edição, quebrando seu próprio recorde de 2022, com duas medalhas (ouro no individual e prata nas barras assimétricas). Ela ainda pode aumentar esse número com as finais da trave e do solo, neste domingo, a partir das 9h (de Brasília). Ela também tem outro recorde: a maior medalhista brasileira em mundiais, com 7 medalhas até o momento.

Fonte: Globo Esporte

Deixe comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos necessários são marcados com *.